Geografia

Professores/as efetivos/as

 

 

André Luiz Sabino

Fátima Aparecida da Silveira Greco

Doutorado

Doutorado

Hudson Rodrigues Lima

Doutorando

Ínia Franco de Novaes

Doutorado

Marco Túlio Mendes Eterno

Mestrado

Suely Gomes

Doutorado

Concepções de ensino-aprendizagem e avaliação do componente curricular

O ensino é uma intervenção planejada para tornar possível o processo de aprendizagem e a re-elaboração de conhecimentos por parte dos alunos. Como ação planejada, o ensino se constrói por meio da elaboração do programa, da adoção de perspectivas teórico-metodológicas, da articulação da proposta de avaliação e da própria interação entre os alunos e professores dentro da sala de aula.

Nesse processo de organização da ação de ensinar, consideramos fundamental dar atenção ao repertório sócio-cultural do/a aluno/a, tais como seus saberes geográficos e suas experiências cotidianas. Sabemos que o/a aluno/a aprende Geografia ao longo de sua vida e em diferentes espaços de socialização, por isso torna-se necessário o levantamento dos conhecimentos prévios e a problematização das experiências e dos saberes dos alunos em sala de aula.

Este é um ponto importante para a concretização dos objetivos da Geografia na escola cujo pressuposto fundamental é a promoção de um ensino questionador, reflexivo e crítico sobre o mundo na atualidade. Deste modo, buscamos construir uma prática pedagógica que favorece a dimensão formadora do ensino de Geografia e que permite ao aluno:

  • Apropriar-se de novos conhecimentos, re-elaborar suas idéias, percepções, experiências e concepções sobre o mundo.
  • Construir atitudes e valores que expressem maneiras novas de ver, viver e exercer a cidadania.
  • Ser autônomo e crítico.
  • Compreender que existem diferentes maneiras de observar, perceber e interpretar a realidade.
  • Desenvolver a habilidade de saber descrever, analisar, criticar, expressar e comunicar idéias por meio do uso de diferentes linguagens.
  • Compreender e respeitar as diferenças demonstrando atitudes de solidariedade, cooperação e tolerância.

Para atingirmos estes objetivos, torna-se necessária a adoção de práticas metodológicas voltadas à pesquisa e à interpretação crítica do espaço como produto das relações humanas. O desenvolvimento de atividades de caráter investigativo baseia-se no uso de diferentes fontes de informações e linguagens, tais como livros, revistas, jornais, Internet, televisão, filmes, fotografias, charges, pinturas, poemas, canções, literatura etc. Além de se constituírem em fontes de informações, essas linguagens expressam diferentes modos de ver e interpretar o mundo. São construídas pelos homens e evidenciam maneiras de perceber a realidade e compreender os acontecimentos que marcam a vida social e a produção do espaço.

A linguagem cartográfica é utilizada durante todo o percurso escolar dos alunos. Nos anos iniciais são abordadas atividades voltadas à alfabetização cartográfica para que os alunos conheçam porque e como os mapas são construídos, além de se trabalhar com os elementos fundamentais para a leitura desse tipo de linguagem (o título, a legenda e as escalas). Nos anos posteriores os alunos aprofundam na compreensão e leitura dos diferentes tipos de mapas para obterem informações e compreenderem as especificidades e possibilidades desse tipo de representação do espaço geográfico.

O sistema de avaliação adotado pela área de Geografia é contínuo e flexível e constitui-se de momentos formais e informais. Mais do que medir o desempenho final do/a aluno/a, compreendemos a avaliação como um meio que nos permite diagnosticar como tem ocorrido o processo de ensino e aprendizagem e pensar em formas de intervenções visando ao sucesso dos alunos. A avaliação não representa nessa perspectiva uma arma punitiva a ser usada pelo professor para punir e reprovar os alunos. Ao contrário, constitui-se em um desafio contínuo de analisar o desenvolvimento dos alunos e o próprio trabalho pedagógico em sala de aula.

O/A aluno/a deve adquirir a confiança de que é avaliado pelo desempenho geral e globalizado, por meio do acompanhamento atento do professor ao longo do processo de aprendizagem. Procuramos alertar e mudar a postura dos alunos em relação a uma prática ainda muito freqüente na escola que valoriza apenas os aspectos quantitativos da avaliação e a nota final. Entretanto, a ênfase dada à avaliação processual não invalida a importância da avaliação somativa que mede se houve aprendizagem e quais são as dificuldades e avanços apresentados pelos alunos em relação à compreensão dos temas, aos problemas e aos aspectos atitudinais trabalhados em um dado período de tempo.

Enfatizando os aspectos qualitativos do processo avaliativo, adotamos diferentes instrumentos de medida e análise no decorrer de todo o processo de ensino e aprendizagem. Procuramos valorizar o envolvimento dos alunos com as atividades diárias, a criatividade, a preocupação com a busca de informações  e como desenvolvimento da capacidade de analisar, inferir e construir interpretações fundamentadas. Assim, os alunos podem ser avaliados por meio de produção de textos, análise de textos publicados em fontes diversas, relatórios de pesquisas em diferentes fontes, relatórios de trabalhos de campo, relatos de vivência, depoimentos e argumentações orais, seminários, confecção de painéis e cartazes, auto-avaliação, provas, ficha de acompanhamento individual e diário etc.

O programa proposto pela Área de Geografia aborda temas atuais sobre o mundo. O local, o regional, o nacional e o mundial são tratados de modo articulado e interdependente. No atual período de globalização e de intensa comunicação entre os lugares e o mundo em que vivemos torna-se imprescindível incentivar e orientar os alunos para perceberem as intrincadas relações espaciais em diferentes níveis escalares, assim como o modo como essas relações interferem na vida e nas exigências do processo de formação dos cidadãos no mundo globalizado.

Durante toda a escolaridade do Ensino Fundamental e da Educação de Jovens e Adultos, serão tratados com os alunos noções e conceitos fundamentais da área de Geografia, tais como: sujeito, tempo, espaço, natureza, sociedade, meio ambiente, lugar, paisagem, território, diversidade e diferença, cidadania, dentre outros. Temos como preocupação trabalhar os conceitos geográficos por meio de questões e problemas relacionados às experiências, vivências e interesses das crianças, jovens e adultos, reafirmando o papel da escola de propiciar a apropriação do conhecimento historicamente produzido e de analisar a realidade e os desafios da vida no mundo contemporâneo.

O desenvolvimento da seleção mínima de temas apresentados a seguir depende da capacidade dos profissionais para trabalhar em equipe, da seleção de materiais adequados e de qualidade e da criação de situações desafiadoras aos alunos. Sabemos que a prática docente é de fundamental importância par desenvolver a compreensão de temas, problemas e conceitos relacionados ao conhecimento geográfico da realidade local, brasileira e mundial no atual período histórico em que vivemos.

Objetivos da Área de Geografia

Nossa proposta de trabalho tem como foco principal o desenvolvimento de projetos e atividades no campo do ensino de Geografia. Atuamos nas áreas do ensino, da pesquisa e da extensão objetivando a produção, a reflexão e a socialização de conhecimentos sobre o currículo, as metodologias e o desenvolvimento de práticas pedagógicas que envolvem o ensino da Geografia na educação básica, na educação de jovens e adultos e na formação continuada de professores.

Coordenador Responsável: 
Laboratório: 
Laboratório de Pesquisas e Estudos no Ensino da Geografia
Arquivos: