Proeja

Docentes:

Profa. Dra. Maria Auxiliadora Cunha Grossi (Letras) – Coordenadora

http://lattes.cnpq.br/0006068069114452

Prof. Me. Daniel Santos Costa (Dança)

http://lattes.cnpq.br/3266759891135746

Profa. Dra. Fátima Aparecida da Silveira Greco (Geografia)

 http://lattes.cnpq.br/7294080580158502

Profa. Ma. Giuliana Ribeiro Carvalho (Letras)

http://lattes.cnpq.br/0433976455627656

Profa. Ma. Kássia Gonçalves Arantes (Letras)

http://lattes.cnpq.br/8916394525275578

Profa. Dra. Leila Floresta (História)

http://lattes.cnpq.br/4028751305901137

Profa. Dra. Raquel Fernandes Gonçalves Machado (Matemática)

http://lattes.cnpq.br/2885743883036540

Profa. Dra. Zaida Barros Dias (Ciências)

http://lattes.cnpq.br/6324406513108896

 

A Educação de Jovens e Adultos é oferecida pela Escola de Educação Básica da UFU, desde 2015, na modalidade PROEJA/FIC– Formação Inicial e Continuada em nível do Ensino Fundamental - 6º. ao 9º. ano- , com formação em Auxiliar Administrativo. Em parceria com o Instituto Federal Triângulo Mineiro – Campus Uberlândia (IFTM), os conteúdos são trabalhados de forma interdisciplinar, com projetos específicos e atividades, envolvendo diferentes áreas de conhecimento, a saber: Artes, Ciências, Geografia, História, Língua Portuguesa, Língua Estrangeira (Inglês) e Matemática. Esses conteúdos estão organizados em disciplinas que compõem o núcleo comum básico e a parte técnica. As disciplinas técnicas são ministradas por docentes do IFTM aos alunos do 8º e do 9º ano; as do núcleo comumsão ministradas por professores da Eseba aos estudantes do 6º ao 9º ano.

O curso é oferecido no período noturno – de 18h50min às 22h10min -  com a duração mínima de dois anos e máxima de três anos, com carga horária de 1240h para a Base Comum e 200h para a Qualificação Profissional.Cada aula tem a duração de 50 minutos; a carga horária diária é de 3h20min, compreendendoaulas teóricas, orientações, práticas, oficinas, laboratórios, sendo acrescidos (10) dez minutos diários de recreio orientado, totalizando 3h30 min de atividades diárias.

A proposta político-pedagógica do PROEJA objetiva desenvolver práticas pedagógicas que qualifiquem os alunos trabalhadores, jovens e adultos, uma vez que a qualificação é parte indissociável das políticas de trabalho, emprego e renda, sejam elas urbanas ou rurais; públicas ou privadas. Para tal configuração, esta proposta requer uma integração curricular e exige a reorganização das diferentes áreas de conhecimento assim como a definição de metodologias de ensino-aprendizado que ultrapassem as fronteiras tradicionais da formação científica tecnológica. Por isso, propomos como base metodológica a junção do conhecimento com a práxis social. Assim, o currículo do PROEJA Fundamental Integrado deve contemplar a elaboração e execução de projetos articulados de forma a superar a fragmentação dos conteúdos específicos, na tentativa de favorecer a construção de conhecimentos.

A proposta pedagógica para o PROEJA pretende ser fundada em uma concepção de educação escolar que promova um vínculo entre os processos pedagógicos e a formação de sujeitos conscientes e capazes de intervir na realidade social, concebendo o estudante como sujeito social, que busca inserir-seno mundo do trabalho. Para atender à educação escolar integrada ao mundo do trabalho, o currículo deve buscar na ciência a contribuição para promover um processo de ensino eaprendizagem, articulado às dimensões humanas como criar, fazer, pensar, argumentar, sentir, promovendo a formação de um cidadão capaz de refletir, analisar, ser crítico e atuante. Essa formação integra esses saberes ao mundo do trabalho, promovendo um desenvolvimento intelectual capaz de aliar conhecimento, pesquisa e intervenção na realidade, pois não existe prática desvinculada de um saber. Nessa integração os conhecimentos adquirem potencial para se transformar em ferramentas que, apropriadas, são capazes de atender à formação de cidadãos compromissados com o mundo ao seu entorno, bem como com os problemas sociais. Nessa perspectiva, o trabalho não é compreendido apenas como uma atividade laborativa.

Partindo dessas propostas pedagógicas e políticas, reafirmamos a ideia de que o processo educativo deve contribuir com a superação do ser humano fragmentadohistoricamente pela divisão social do trabalho entre manual/técnico e intelectual, visando a uma formação que possibilite a leitura do mundo e a atuação cidadã.

 

BIBLIOGRAFIA

 

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº. 9394/96. Brasília, 1996.

CIAVATTA, M.; FRIGOTTO, G.; RAMOS, M. O trabalho como princípio educativo no projeto de educação integral de trabalhadores. In: Concepção e contradição. São Paulo: Cortez, 2003, p. 19 – 62.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. Trad. de Moacir Gadotti e Lílian Lopes Martin. 31. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1991.

MEC. Programa Nacional Integração da Educação Profissional com aEducação Básica na Modalidade de  Educação de  Jovens  e  Adultos: Documento  Base. Brasília, 2007.